01/01/2018

Olá, 2018, seja um bom ano!


Bem, cá estou para receber os primeiros segundos deste ano que ainda não sei como será, mas que como todo ano novo me deixa com aquela esperança burra e teimosa de que as coisas serão melhores embora eu não me esforce para serem.

Este vai ser o ano em que eu enfim vou acompanhar animes como eu fazia há não sei quanto tempo! Fora o filme e a terceira temporada de My Hero Academia, tem Sakura já agora no começo de Janeiro e em Fevereiro tem o novo Precure, Hugtto Precure, que eu curti o character design e sendo Precure já imagino que vai ter no minimo uns trinta episódios, tem Inazuma Eleven Ares vindo para promover o novo jogo da franquia (esse eu vou assistir só pela nostalgia de rever todos os meus favoritos do clássico!), também tem as segundas temporadas de One Punch Man e de Nanatsu (esta eu acho que só vou assistir mesmo se vir dublada pro Netflix).

Eu realmente queria que tivesse alguma noticia sobre Sailor Moon Crystal pra este ano, mas aquele rumor sobre do filme correspondente ao quarto arco sair este ano parece que vai ser só isso mesmo, um rumor. É bem provável que Crystal seja enterrado com apenas três temporadas (se é que já não esta e eu estou apenas falando do seu defunto decomposto).

De qualquer forma, creio que essa vai ser uma das minhas metas para 2018: Assistir muitos animes!

31/12/2017

Revisão de 2017

Sejamos sucintas e rápidas porque eu não quero perder os fogos! Tudo de memorável que 2017 me deixa é basicamente esta lista aqui:

  • Consegui meu Pokemon Moon;
  • Vi "Alien Covenant" e "It" no cinema (foi show!);
  • Tive minha conta no Eldarya totalmente resetada por uso de bug (No regrets);
  • Vi "Pokemon 20" no cinema (se não fosse pelos pestes teria sido muito show);
  • Magi foi concluído com um final decepcionante faltou só um tiquinho pra ser nível Bleach!
  • Abertura do Shooping novo aqui na cidade, um com Saraiva e que eu consigo chegar apenas pegando um ônibus!

E isso foi só as coisas legais porque se eu citasse só os desgostos e desgraças... Melhor não, né, vamos fechar este ano de merda com um pouco de animo para 2018 que a gente ainda não sabe o que nós reserva.

Ah, e se você por falta do que fazer acaso acompanha o blog há algum tempo deve lembrar que normalmente eu faria uma revisão das metas que eu estabeleci lá no inicio do ano junto com a criação das novas metas para o ano seguinte, bom... Isso já era. É, não vai ter mais isso por que do que adianta? É mais fácil e simples fazer um apinhado assim do que chegar no fim e ficar depressiva vendo como fracassei feio em grande parte das metas (Me perdoe eu do passado!), por isso fica decretado aqui que agora o post de fim de ano será um apinhado das coisas boas pra dar animo para o proximo!

E com isso eu encerro a transmissão deste ano maldito! Nós vemos em algum dia em 2018!

15/12/2017

Amor Doce - O problema das "manequins" nas imagens de evento

Lembram como era bom ter a nossa docete em todas as imagens do jogo? É, era tão bom.


Nossa era nas imagens de eventos foi terrivelmente ameaçada (já esta praticamente destruída) no evento de musica que rolou em junho, foi nele que começou a substituição da docete pela "manequim do traje de evento". Quem é essa tal manequim? Sabe quando você vai no tópico dos eventos ou episódios e vê lá a docete usando as roupas do evento ou do episódio? Essa á a manequim, apenas uma personagem sem nome que ta ali apenas para expor a roupa que a sua docete pode comprar ou conseguir.

01/12/2017

Amor Doce: Calendário de Natal completo!

 E de novo não é a nossa docete na ilustração.


 Olá, docetes, o tumblr sakurina-mcl postou há algumas horas tudo que teremos no calendário de natal no AD, algo maravilhoso para curiosas ansiosas como eu e ainda por isso também postou a ilustração que este ano traz Alexy e uma estranha, de novo.

22/11/2017

O idioma inglês e o seu "politicamente correto dos pronomes"

Eu gostei tanto deste comentário feito num post da Lola que eu quero dividir aqui no blog.


Já cansei de tanto ler posts no Tumblr sobre esta questão que é sempre levantada por falantes norte americanos sobre "outras linguás serem estranhas por terem gênero pra coisas como uma cadeira, mas não para outras" (recentemente eu vi um falando justamente sobre isso e ainda metendo o pau em idiomas como alemão, chines e espanhol por serem tão diferentes do inglês como se o idioma inglês fosse algo divino e sublime só por não dar gênero a coisas inanimadas ou ter uma unica palavra para indicar o tempo futuro, francamente aquele post me deu raiva) e como esse comentário de alguém chamado donatio resume e explica a questão tão bem (numa comparação direta entre inglês e portugues), eu iriei reproduzi-lo totalmente neste meu post.

E agora vamos ao comentário sobre a língua inglesa e suas diferenças em relação ao bom e velho português.
Como eu já disse, o inglês em princípio não tem gênero. Há inclusive uma adivinha clássica, destinada a demonstrar o sexismo inerente ao raciocínio ordinário das pessoas:
A father and son get in a car crash and are rushed to the hospital. The father dies. The boy is taken to the operating room and the surgeon says, “I can’t operate on this boy, because he’s my son.”
How is this possible?
É difícil traduzir isso, mas a estória é a seguinte: pai e filho sofrem um acidente de automóvel, o pai morre, o filho tem de passar por uma cirurgia, e é filho de quem vai operar. Como pode? Evidentemente, por que o cirurgião é uma cirurgiã, a mãe do rapaz. Mas o truque é que em inglês é possível ocultar esse fato ao longo de toda a adivinha, coisa que em português não tem como fazer.
(O que demonstra minha observação no comentário anterior. Não tem "surgeono" nem "surgeona", o cirurgião ou cirurgiã é sempre "surgeon" - onde que vai colocar o "x" então?)
O pouco que resta de gênero em inglês então são basicamente os pronomes pessoais - he (ele) e she (ela), e não se reflete na gramática. Em português temos de dizer "ele é bonito", "ela é bonita". Mas em inglês, o adjetivo não tem gênero - "she is beautiful", "he is beautiful", de novo sem lugar para o "x". Ou seja, o pouco que resta de gênero em inglês é semântico, não gramatical.
Isso leva muitos falantes de inglês, em especial os que não têm uma segunda língua, a cultivarem algumas fantasias a respeito das línguas que têm gêneros gramaticais, como o português e as outras línguas neolatinas, e o alemão. Uma dessas fantasias é achar que o gênero em português ou em alemão é semântico, em vez de gramatical. Daí a piada clássica, "os alemães acham que um repolho tem sexo, mas uma esposa não" (por que a palavra alemã para "repolho" é feminina, e a palavra alemã para "esposa" é neutra (em alemão os gêneros são três, masculino, feminino e neutro).
Mas não é assim que as coisas funcionam; nós dizemos coisas como "o Trump é uma pessoa horrorosa", sem por isso estarmos duvidando da masculinidade dele, ou "a testemunha estava apavoradaa" sem com isso concluirmos que a testemunha é necessariamente uma mulher. Esse descolamento entre sintaxe e semântica no uso de palavras que flexionam em gênero é difícil de entender para pessoas cuja única língua é o inglês.
(Isso tem algumas consequências interessantes para o uso do "politicamente correto" em inglês, quando comparado com o similar português. A maioria dos anglófonos - ou das anglófonas - que se importa com essas coisas demanda o uso de palavras neutras para substituir os resquícios de gênero que ainda se apegam a alguns poucos substantivos. O exemplo mais notável são as atrizes de língua inglesa, que não gostam de serem chamadas de "actress", e preferem a palavra neutra/masculina "actor", mas há outras, como "mailman/mailwoman" (carteiro/carteira) que deveria ser substituída por "mailperson", semanticamente neutra). Já em português, com exceção das poetas, que abominam a forma supostamente feminina "poetisa" - com uma boa dose de razão, já que ninguém diz "atletisa" ou "estafetiza" - a tendência parece ser a contrária, com formas arcaizantes como "estudanta" ou "presidenta" sendo ressuscitadas.)

Comentário por donadio escrito em 22 de novembro de 2017 as 14:12 no blog Escreva Lola Escreva.
Fora o principal sobre o idioma, algo relevante para mim neste comentário é seu ultimo trecho onde fala do "politicamente correto" no inglês porque eu vejo facilmente esse "politicamente correto" tentando ser posto em pratica por alguns tumblrs brasileiros como se nós aqui falássemos inglês e como tais pudêssemos excluir qualquer palavra ou pronome com gênero do nosso idioma tal qual o inglês consegue e não é assim que a banda toca! Não é porque os malucos obcecados pelo "politicamente correto dos pronomes falantes de inglês" estão preocupados em encontrar algum pronome neutro em todos outros idiomas para assim terem como se referir a pessoas "LGBT e sei lá mais o que" de outras nacionalidade como supostamente estes querem ser referidos que nós, brasileiros, devemos nos preocupar em criar um pronome neutro no nosso idioma para nos passarmos por pessoas legitimamente preocupadas com essas questões sendo que isso nem é um problema pra nós! A gente não precisa disso, basta a gente pensar um pouco.

O nosso idioma funciona e é ótimo, ele parece horrível quando lemos criticas babacas vindas de babacas falantes de inglês (os quais falam mais sobre o espanhol, mas eles acabam remetendo ao português, afinal espanhol e português são parecidos), mas ele serve ao seu proposito que é nos comunicarmos. E se você tem um amigo ou amiga que lhe diz que é de tal gênero, então você não precisa de um drama gigante só porque não tem um pronome magico pra ele ou ela, você só vai chamar-lhe com o pronome que convêm, não existe a necessidade de uma aberração como "elx" só pra atender o estranho "politicamente correto dos pronomes" que só funciona para o inglês!

Pronto! Desabafei. Até outro outro dia.

07/11/2017

Cinema não é lugar de criança mal educada!

Ontem eu fui assistir Pokemon no cinema e tudo teria sido ótimo se não fosse o fato de ter uma menina muito tagarela na fileira de trás e um pirralho que não calava a boca sentado bem ao meu lado! Este em particular era exatamente aquele tipo de criança que nunca deveria ser permitida de entrar num cinema: inquieto e que não se cala mesmo a mãe pedindo para "falar mais baixinho".

Eu odeio crianças no cinema, apenas odeio. Crianças devem ser preparadas antes de entrarem num lugar onde silencio é obrigatório, ou melhor, nem deviam estar lá para começar e não me venha dar desculpa de que criança é assim, ela é pequena ou que eu devia esperar isso porque era um filme animado! Obviamente eu já sabia que teria muitas crianças na sessão, mas isso não é desculpa pra vocês, senhor pai e senhora mãe, que levam seus filhos ao cinema não ensinarem ou corrigir a vossa peste! Você esta levando a criaturinha num cinema, não á escola ou a sua casa onde você pode gritar o quanto quiser! Ensinem seus filhos á se comportar num cinema antes de irem! Você não quer que chamem a atenção de sua adorável cria? ENTÃO EDUCA ESSA DROGA PARA NÃO FICAR GRITANDO DURANTE O FILME!

O tempo todo durante a sessão eu, assim como todo os demais, tive que aguentar aquela pirralha no meio da sala berrando seus pensamentos enquanto que bem ao meu lado tinha o pivete que claramente gostava de pokemon o bastante para sempre que aparecia um monstrinho na tela ele gritar super animado o nome do bendito! Durante o filme todo foi só "É O RAIKOU! SERÁ QUE O ASH VAI PEGAR O RAIKOU?!", "OLHA, MÃE, É O CHARMANDER", "É A  BUTTERFREE!", a minha vontade foi de cutucar a mãe e perguntar se ela não tinha vergonha na cara de não ter levado seu filho logo pra fora (obviamente não o bastante porque ela não fez nada além de pedir "fala baixinho, filho" durante o filme todo. Que ótima mãe, merece um premio, né?).

Tirando esses problemas, o filme foi ótimo, não tem do que realmente reclamar, tirando o Pikachu falar lá no final, eu já sabia que ele iria falar, mas mesmo assim foi algo surreal.


Atualização 2017: O titulo foi alterado para evitar que crianças comportadas não se sintam atacadas, mas o texto permanece o mesmo (precisamos aprender com o dizemos, né?).